Agilidade em Testes de Software – O que é ser Ágil? Parte 02 de 03

agile-glossary

Olá Pessoal,

Dando continuidade ao post ALM – Agilidade em Testes de Software – O que é ser Ágil? – Parte 01 de 03 o que acredito ser um bom caminho desse tema as vezes polêmico.

Particularmente e longe da minha crença/opinião estar certa e além disso, amanhã posso tranquilamente mudar minha opinião, mas hoje creio que agilidade está intimamente ligada muito mais aos indivíduos (time, colaboradores, empresa) que fazem a atividade do que apenas no processo em si.

Claro que há processos que inibem você (que acredita que possui um pensamento ágil, assertivo, etc.) de pular partes desse processo devido a regras estabelecidas, mesmo que você entenda que aquela parte do processo é descartável, devido a uma obrigatoriedade legal como uma ISO ou SOX ou até por determinação da própria empresa.

Mas há muitas formas de você realizar pequenas alterações em seu processo e utilizar-se de ferramentas, técnicas e boas práticas para dar a tão sonhada agilidade, sem ter que mudar tudo do processo o que você faz hoje, achando que isso será a solução. Quer um exemplo?

Voltamos a questão do post anterior sobre o Gerenciamento de Serviços de TI usando ITIL.

Você acredita que realmente a culpa de um determinado processo de pedido de ambiente a área de TI ser tão moroso que leva o time de desenvolvimento, serviços, produtos e outros a “loucura” Crying face quando se pede um ambiente (servidores, ativos, etc.) e a equipe de TI informa que poderá levar de 02 à 12 semanas para entregar é do ITIL, processos, frameworks, etc.?

E se a área de TI ajustasse seu processo, onde o gerenciamento de contratos, fornecedores, equipamentos, ativos fossem feitos periodicamente e sazonalmente com antecedência, mantendo-se o controle, mas trabalhando com folga de 20 à 30% de capacidade para  suportar novos pedidos, bem como trabalhar com automações utilizando-se de sistema de IaaS, com portais de auto-atendimento, aprovação via sistema online de Service Desk, scripts de criação de servidores virtuais (Windows, Linux, etc.) e PaaS (SQL, Web Application), já previamente configurados, usando-se de templates dos serviços e ambientes mais solicitados?

Você sabia que pode ter um Microsoft Azure, por exemplo, em seu ambiente interno, sendo tudo automatizado como o Microsoft Azure que entrega um ambiente IaaS ou SaaS em minutos?

Ficando apenas a cargo do time de aprovadores (Comite) dar seu OK no voto enviado por e-mail para o ambiente ser criado sozinho?

Ambientes esses rodando em Cluster, com gerenciamento de qualidade, percepção de pools com mais “folga” de recursos processamento, memória e disco, usando-se por exemplo a familia System Center da Microsoft e até outras ferramentas e suites de parceiros da Microsoft? Criando a tão sonhada “elasticidade”.

Ou seja, mantém todo seu processo igual, porém mais rápido, entregando-se ambientes em minutos, mas não em dias, apenas antecipando esse mesmo processo e usando-se de ferramentas de conhecimento para dar-se velocidade.

Parece simples né? Agora pergunto a você:

– Seu time tem maturidade para estar realizando uma gestão de contratos, terceiros, antecipação de cotação, análise de variação de dólar, conhecimento técnico para ser assertivo na compra de equipamentos que atendam a solicitações futuras?

– Conhecimento em scripts Powershell, Powershell DSC, Orchestrator, Sharepoint, VMM, NIC Team, etc. para a construção do seu Datacenter Moderno baseado em Nuvem (Virtualização) usando IaaS e PaaS?

– Conhecimento em DevOps, ferramentas de análise de desempenho, para a gestão do ambiente?

– Seu time sabe o que é IaaS, SaaS e PaaS?

Isso foi apenas um exemplo na área de TI. Mas é importante saber tudo isso que comentei, pois ser Ágil é entregar com qualidade e velocidade e para isso não é fazer as coisas no atropelo ou rasgar meus processos (minha opinião pessoal) e sim com seu vasto conhecimento, colaboração entre times e compromisso com a entrega.

Saber que hora posso abrir mão de determinada atividade sem comprometer a entrega e qualidade, que hora posso vestir outro “boné” e executar o papel de outro colaborador para dar velocidade, quanto de dados realmente eu preciso saber para executar a atividade, ou você pediria para uma pessoa com experiência em montagem e formatação de computadores para montar um script PowerShell DSC para instalação do IIS em seus laboratórios e não iria conferir?

Partindo-se agora para a área de desenvolvimento, especificamente a área de Testes de Software, imagine o mesmo cenário, olhando-se para seu processo atual de Testes de Software, antes mesmo de achar que você deve ser Ágil, seu time sabe realmente as técnicas de Testes de Software? Sabe escrever um Plano de Teste útil? São assertivos em seus testes? Pois para que um time possa abrir mão de determinadas atividades, ele tem que dominar o assunto para saber o que pode deixar para depois ou não, ou não seria isso? Não sei, o vocês que acham?

No próximo e último post, irei apresentar algumas ferramentas, cursos e materiais que podem auxiliar seu time de testes nessa empreitada “Ágil”!

Até mais!

Um comentário sobre “Agilidade em Testes de Software – O que é ser Ágil? Parte 02 de 03

  1. Pingback: ALM – Agilidade em Testes de Software – O que é ser Ágil? Parte 01 de 03 |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s